Maio “Mês do Coração” – Faça o teste ao seu coração online

Maio foi o mês institucionalizado pela Federação Portuguesa de Cardiologia como sendo o “Mês do Coração”, tendo assim como objetivo primário a sensibilização dos cidadãos para a problemática das doenças cardiovasculares e para a imperatividade de prevenir o seu aparecimento através de hábitos saudáveis.

Desta forma, procurámos disponibilizar dois testes simples e de fácil aplicabilidade para que possa saber como está a sua saúde cardiovascular.

Teste 1: Teste de Ruffier-Dickson (Basta ler este artigo para aprender a fazê-lo)
Teste 2: Questionário online da Sociedade Brasileira de Cardiologia que lhe dá no momento o seu indíce de risco de doença cardiovascular. Responda ao questionário AQUI.

 O  teste de Ruffier-Dickson:

Avalia o nível ou capacidade aeróbica de cada indivíduo, ou seja, a capacidade do indivíduo se manter em esforço durante um período considerável de tempo, bem como, a capacidade de recuperação no final do exercício. Fisiologicamente estas características estão relacionadas com o poder que o coração possui para bombear o sangue e, consequentemente, com a oxigenação das células do organismo.

Salientamos que este teste não mede a força física ou a potência muscular, mas a capacidade de realizar um esforço contínuo cuja duração e ritmo dependerá do estado e das características do organismo.

Para realizar este teste apenas necessita de saber medir as suas pulsações, um cronómetro ou um relógio que indique os segundos, um papel e uma caneta.

Já tem o material necessário? Então agora é só seguir as instruções.

COMO REALIZAR O TESTE DE RUFFIER-DICKSON?

  1. Deite-se de costas durante um minuto e meça a sua pulsação uma primeira vez. O número de batimentos por minuto fornece-lhe um primeiro valor: P1.
  2. Realize 30 agachamentos durante 45 segundos:
Continua lendo

Compartilhe

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Linkedin
Compartilhe no Whatsapp

VEJA TAMBÉM

A depressão pós épocas festividades, também conhecida como transtorno afetivo sazonal, é real. O que para muitos pode ter sido a melhor época do…